terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Sábado, 6 de fevereiro 2010

Sábado acordamos o mais cedo que conseguimos, pois estávamos muito cansados e a cama estava muito confortável e quentinha e fomos para a Acrópole. Tomamos um café da manhã antes de começar a maratona pelas ruínas dos templos gregos, e o café também foi maravilhoso. Além de um cappucino para qualquer barista gostar ainda foi servido um pãozinho com o que de recheio? Nada mais, nada menos do que o delicioso queijinho feta... Hummmmmm....

O ingresso da Acrópole custa 12€ e dá direto a entrar no Ancient Agora, Roman Agora, Teatro de Dionysos, Temple of Olympic Zeus e Hadrian´s Library. Pra quem não sabe, Acrópole, significa “cidade alta” e geralmente ficava na parte mais alta da cidade, murada de todos os lados, onde era resguardado a sede do governo.

Assim que entramos o primeiro monumento que vimos foi o Teatro de Dionysos, menor do que eu imaginava, mas lindíssimo. Ele fica no pé da Acrópole, no início da subida. Os teatros eram na verdade, arenas circundadas por arquibancada. Vimos que existem cadeiras diferentes que provavelmente seriam para autoridades da época que são localizadas mais ao centro e próximas da arena. Na verdade, ao pé da Acrópole existem 2 teatros, este e o de Herodes Ático. Este último ainda hoje são encenadas algumas peças ou danças.

Continuando nossa subida a Acrópole, nos deparamos com o Templo of Asclepios e uma vista de cima do Teatro Herodes Ático.Quanto mais subíamos, mais a cidade se mostrava para a gente, a visa da Acróple é inacreditável, conseguimos ver toda a cidade e o Mediterrâneo.
Chegamos à entrada da Acrópole que era o Templo da Atenas Nike. O nome da Acrópole foi dedicado a deusa Atenas, que era a deusa padroeira da cidade, por isso do seu templo ser na entrada. Mais adiante o Pathernon, muito maior que a templo de Atenas, é visto como o símbolo duradouro da Grécia e da democracia.

O Erecteion, também conhecido é um templo grego consagrado a Atenas, Poseidon e Erecteu (mítico rei ateniense). Neste templo ao invés de ter colinas em uma de suas laterais, são seis cariátides (mulheres) fazendo as vezes de colunas. Há uma história que diz que no interior do templo, vivia uma serpente, à qual se oferecia um bolo sagrado cuja recusa era tomada como sinal de mal agouro para os atenienses. Terminado as desventuras e mistérios sobre a Acrópole de Atenas, fomos para outra parte de chamada Ancient Agora. 

Basicamente os Agoras são antigos locais de mercados e um importante ponto da vida social e cívica. Uma curiosidade, é que era lá que ficavam as casas de banhos, aquelas em que todo mundo ia, claro, pra tomar banho... cheios de banheiras. Aliás, em todo lugar que eles encontram uma dessas (pode ser no metrô, no meio da rua, eles abrem e deixam para expor. Voltando, existem dois agoras, um Ancient eram dos gregos e o Roman que foram os romanos quem construíram.

No Ancient Agora, logo em sua entrada vimos uma Igreja que está em quase perfeita condição chamada A Igreja dos Apóstolos Sagrados, do século 11. A reconstruída Stoa of Attalos, que hoje funciona como um Museu do Ancient Agora, que exibe, em sua maioria, artigos ligados a democracia ateniense. Vasos, escudos, armas, esculturas, moedas... Também muito importante, está no Ancient Agora o Templo de Hephaestus, ele era o deus da tecnologia e dos trabalhos manuais como artesãos, escultores. Na mitologia, a mão de Afrodite foi dada por Zeus para este moçoilo ai em troca de prevenir outros conflitos entre outros deuses. Afrodite por sua vez, não contente com isso, acabou tendo um caso com Ates, deus da Guerra. Quando Hephaestus descobriu, ficou puto e fez com que os dois fossem tragados para o Monte Olimpo para envergonhar-se da pouca vergonha em frente aos outros deuses. Por outro lado, os Deuses riram dos dois amantes peladões e Poseidon persuadiu o traído a enviá-los de volta com a garantia de que Ares iria pagar por isso.

Por fim, encontramos o Odeion of Agrippa, que ocupa o centro do Ancient, e foi um presente do povo de Atenas para Marcus Agrippa, um general romano. Era um auditório que cabiam aproximadamente 1000 pessoas. Sua decoração externa foi feita com pilastras coríntias (que hoje, foi só o que restou).

Depois disso fomos para o Roman Agora, que é bem menor em comparação ao outro. Foi construído pelos romanos e financiado por Julio Cesar e Augustus. Ele consiste em um jardim grande e aberto cercado de colunas por todos os lados. O monumento mais importante é a Torre dos Ventos, alta e com formato octagonal, foi construída por um astrônomo e é a personificação de 8 ventos cravados nos 8 lados da torre.

No finalzinho do Roman, fomos expulsos por um guarda, que disse que já estavam fechando! Hahahahaha.. Tivemos que aproveitar até o último minuto. Ainda faltou ver o Templo de Zeus e a Libraria de Hadrian´s.
Saímos em busca de alguns souvenirs e também de um lugar maravilhosamente bom para comer. Acabei comprando um chaveiro de olho grego (que eu já queria, então aproveitei pra trazer um da Grécia, porque eu sou chique né benhê!).

Achamos um restaurante chamado Adrianou, pra variar comemos bem e pagamos pouco. Comemos uma entrada de berinjela com queijo feta e parmesão derretido por cima e um Souvalak, prático típico grego que basicamente é um espetinho de carne (no nosso caso, preferimos o porco) com pimentão vermelho e verde e batatas cozidas. Tomamos um cerveja de inverno grega chamada Mythos, uma delícia. E para não ficar pra trás do outro restaurante, fomos super bem atendidos e o garçom nos trouxe uma sobremesa chamadas Halvas, que era uma tortinha que quando colocava na boca parecia um sagu bem pequenininho com gostinho de açúcar queimado, cravo e canela. Hummmm... quero mais!

Depois de comermos, fomos passear na rua da balada. É uma ruazinha com cara de Campos do Jordão que não passa carro no meio, tem barzinhos dos dois lados e um aquecedor delicioso entre todas as mesas... Paramos para tomar uma cerveja, e foi a pior coisa que fizemos, além de só ter adolescentes atenienses para todos os lados, a cerveja custava 6€ (ou seja, tomamos só 2, uma pra cada) e tinha um casal do nosso lado fazendo travessuras proibidas em pública que nos incomodou demais! E fomos embora, pois só tínhamos mais aquela noite na cama gostosa do hostel! Hahahaha...

Um comentário:

Gabitus disse...

Nossa, querida!!!

Quanta aula de mitologia grega, hein???

Como pode comer por tão pouco, e pagar tão caro em uma cerveja, num pub???

Da próxima vez, fica no restaurante tomando vinho!!! E comendo queijo feta!!! Hahahahah...

Beijinhos!!